Aprendizados que tive pintando/descolorindo o cabelo

Olá, meus amores! Como estão? O maior sonho da minha vida era ser loira. Eu queria porque queria isso na minha vida e não existiu alguém que pudesse me convencer do contrário. Diante dessa vontade enorme, realmente fiquei vendada sobre a verdade do que era cuidar de um cabelo com química e cheguei a achar que conseguiria estar no controle de toda a situação. É...Só imaginar não resolve nada se você não faz nada pra dar certo - e eu não fiz. E, como quase tudo na vida que fazemos nos traz belos aprendizados que podemos levar conosco em nossa jornada, vou dizer o que aprendi pintando/descolorindo o cabelo. São aprendizados baseados apenas na minha experiência e incluindo o que foi feito no meu cabelo. Não sou nenhuma profissional e não entendo nada sobre isso.

Preguiça não combina com cabelo tingido/descolorido
Na minha imaginação, cuidar de um cabelo com química era a mesma coisa que cuidar de um cabelo sem nenhuma (pai amado!). Eu pensei que poderia lavar e hidratar quando eu bem quisesse que nada demais iria acontecer. Porém, minha querida, os cuidados que a química trazem pro seu cabelo são em dobro, inclusive se descolorante estiver envolvido. Eu só fui aprender isso na raça e vendo o meu cabelo se despedaçando por eu não estar cuidando o suficiente. Não nego mesmo que sou bem preguiçosinha pra lidar com coisas que exigem muito do meu tempo e precisam de muitos cuidados - assim como cabelo quimicamente tratado, mas eu queria me desafiar. Moral da história: cabelo descolorido e com tintura não combina com preguiça. Se não estiver disposta a cuidar do cabelo mais do que te convém e não der a atenção devida pra ele com essas químicas, vai cair do cavalo.

É um saco retocar raiz
Graças a Deus meu cabelo cresce que nem grama e praticamente nem percebo o quão rápido ele vai se desenvolvendo mas, isso não é tão bom quando se tem um cabelo pintado. Eu tenho um toc muito grande de raiz crescida onde a cor da dela é completamente diferente da cor do resto do cabelo - não importa se for loiro, ruivo e qualquer outra. Toda vez quando eu reparava no espelho que tinha uns dois ou três dedos de raiz crescida do meu cabelo (o que não demora(va) muito pra acontecer) já tinha que retocar. E pra ser sincera? Eu acho isso um baita saco e foi um dos maiores motivos pra eu deixar de pintar e voltar pro tom natural do meu cabelo.

É muito caro ser loira
Além de você se preparar psicologicamente pra ser loira, outra coisa que você também tem que preparar é o seu bolso porque vai gastar muito pra mante-lo sempre lindo e impecável. Tem que matizar, hidratar, retocar raiz, fazer isso, fazer aquilo e ainda com uma certa frequência - fora a escova e chapinha. Quando você percebe, uma quantia boa de dinheiro foi pro espaço só em idas ao cabeleireiro. Tudo bem que são coisas que você pode acabar fazendo em casa se tiver habilidades e ocorrer de gastar muito menos, porém, não gosto de meter a mão no meu pra nada (a não ser lavar e hidratar) pra depois acabar fazendo um belo desastre.

Não dá para atingir o tom desejado de loiro numa só hora
A gente vê aquelas modelos maravilhosas nas caixinhas das tintas, logo dá aquela ilusão de que quarenta e cinco minutos depois vamos terminar ficando que nem elas - e não, isso não acontece. Quando me dei conta disso, bateu aquela frustração lá no fundo. Primeiro que, se eu cabelo for muito escuro, a tinta não vai ajudar a atingir aquele tom, muito menos de primeira. Então, se você quiser partir pro loiro sem agredir tanto seu cabelo, tem que começar descolorindo aos poucos partindo de mexas. Com o tempo auxiliando com a tinta e indo pro resto do cabelo. A minha meta final era ter um loiro no tom doze bem Avril Lavigne mas, imagina alguém que tem o cabelo natural literalmente preto chegar a esse tom? São vários e vários meses de batalha e exige um cabelo de ferro! Foi por pouco que não cheguei lá e só desisti porque meu cabelo estava pedindo help.

A gostar do tom natural do meu cabelo
Antes, eu achava que meu cabelo fosse completamente sem graça apenas por ser todo preto e, com isso, não conseguia achar minha beleza e meu diferencial. De fato, ficar loira deu uma aumentada na minha autoestima, tanto é que foi nessa época que comecei a tirar selfies frequentemente e me expor mais na internet - visualmente falando. Através dessa mudança pro loiro, eu descobri que autoestima era uma coisa possível na minha vida e, se não fosse por essa mudança, provavelmente continuaria sendo aquela garota que fugia do espelho por se achar feia. Enfim, após muitas químicas, chegou num certo momento em que vi que a melhor opção era voltar pro cabelo preto se quisesse ter um cabelo longo e mega saudável. Tendo essa decisão, por incrível que pareça, eu tive um sentimento diferente e fiquei ansiosa pra voltar pra ele. Já tinha tomado consciência de que, se eu conseguia me achar bonita sendo loira, eu também conseguiria me amar de cabelo preto. E pensando assim, é louco eu ter precisado fazer tudo isso no meu cabelo pra aprender de vez a gostar dele e me dar conta de que o tom natural me cai muito bem.

E pra finalizar...
Separei algumas fotos para demonstrar as fases que eu pintava o cabelo. A primeira foto é em abril de 2016 quando estava no "auge" do meu loiro e mais perto do que nunca do tom doze que eu queria atingir. A segunda é em julho do mesmo ano quando eu desisti do loiro e decidi testar outro tom do cabelo pra um mais escurinho (no mês seguinte pintei de preto). Aproveitando pra tirar a parte que ficou zoada de tanta química, junto veio vontade de cortar o cabelo bem curtinho. A terceira foto é uma recente e onde eu acho que fico muito melhor com cabelo preto do que com qualquer outro.
E vocês, já pintaram o cabelo ou pensam em fazer isso? Comentem abaixo!
  • Share

Fatos estranhos sobre mim

Olá, meus amores! Como estão? Não sou lá uma pessoa que vocês poderiam dizer: "nossa, como essa menina é estranha", porém, também tenho minhas estranhezas - e o ser humano que não tiver, que atire a primeira pedra. Mesmo não tendo fatos estranhos altamente bizarros pra compartilhar com vocês, acho que continua sendo válido, pois, se os considero estranhos, logo eles são estranhos. Enfim, eu ia responder aquela tag "15 fatos estranhos sobre mim" mas, pra ser sincera, achei que as perguntas da tag são sobre tudo, menos sobre fatos estranhos, então resolvi eu mesma reunir esses fatos pra contar aqui.

Não consigo engolir comprimido
Por mais que me façam colocar cinco litros de água na boca junto com um comprimido, eu nunca consigo engolir ele - eu até engulo a água mas o comprimido fica na boca. A última vez que tive de tomar comprimido, foi há uns quatros anos atrás (era uma vitamina) e era um completo pesadelo na minha vida. Na hora de tomar, eu começo a ficar apreensiva e sempre acho que vou morrer engasgada com aquele negócio na minha garganta. No final, resulta eu não conseguindo engolir e despedaço o comprimido pra tomar com meia colher de água. E isso porque o comprimido era pequeno, imagina se eu tivesse que tomar aquelas cápsulas de meio metro? Deus que me livre!

Cheiro tudo o que como
É, confesso que sou meio nojentinha quando se trata de comida, mas esse é meu jeito. Podem achar isso, porém, não cheiro algo de comer por mal - inclusive não costumo fazer isso na casa dos outros. Entretanto, não custa nada dar aquela checadinha mesmo que seja discretamente, né? Vai que o cheiro não agrada e o gosto muito menos!? Na minha lógica, eu acho que o cheiro diz muito sobre o sabor da comida, então, se ela tiver um cheiro ruim, vai ter um gosto ruim - logo eu não vou querer comer. Na verdade está mais pra uma maniazinha do que o "medo" de comer algo com gosto ruim.

Não consigo dormir com alguma luz acesa
Eu acho que esse fato merecia estar nessa lista porque, normalmente, as pessoas não conseguem dormir sem uma luz de abajur acesa por terem medo de escuro - e no meu caso eu não tenho medo. Se for tentar dormir com algo aceso, chega a ser um incomodo e me atrapalha a dormir. Eu acabo me concentrando na luz e em tudo ao meu redor menos no sono. Pra mim, dormir no escuro é uma tremenda paz e é como se as minhas vistas estivessem descansando (o que não acontece quando alguma luz está ligada).

Já "colecionei" mosquitos
É, isso é bem nojento, eu sei. Também não faço a menor ideia do que estava fazendo hahaha. Isso aconteceu quando eu tinha uns dez anos (criança sendo criança) e ficava prendendo aqueles mosquitinhos de banheiro num potinho que eu tinha. Pra quê? Não sei, mas eu os "guardava" como prisioneiros. Talvez eu estivesse bastante curiosa pra saber se iriam sobreviver por muito tempo estando presos sem ar e sem nada. E como previsto, essa loucura não durou por muito tempo. Mais tarde, os libertei ainda vivos e nunca mais fiz uma coisa desse tipo.

Geralmente não me lembro dos sonhos que tive
Não sei qual é a explicação científica pra isso, porém, dificilmente me lembro dos sonhos que tive à noite - a não ser que tenham sido, de certa forma, "marcantes". O curioso é que às vezes eu me lembro de algum sonho numa forma bem bizarra, por exemplo: eu acordo sem me lembrar do que sonhei e, se vejo uma corda, automaticamente me lembro que sonhei que estava pulando corda. Cadê o sentido? Fora isso, na maioria das vezes apenas me lembro dos sonhos que tenho antes de acordar, mas nada frequentemente (e esqueço um tempo depois).

Tenho um cisto sinovial no dorso do pulso
Eu também coloquei esse fato como estranho porque é como as pessoas o enxergam, praticamente como um alienígena. Elas não hesitam em disfarçar o espanto delas quando se deparam com esse cisto no dorso do meu pulso. Sempre soltam uma frase: "NOSSA! O QUE É ISSO ENORME NO SEU BRAÇO? TEM QUE IR AO MÉDICO PRA TIRAR" (ps: ele é um pouco menor que uma azeitona). Quando isso ocorre, eu fico meio: "Gente, pra que tanto alarde? Até parece que minha mão vai cair!", é como se elas estivessem de frente com uma doença mega contagiosa, infecciosa que fosse atingir meu braço inteiro e eu tivesse que tratar de imediato. E pra quem se pergunta, sim, já fui num médico pra ver o que era isso. O mesmo disse que, se eu tirasse, poderia aparecer de novo e então optei por não tirar. Se ele tiver que sair, vai sair sozinho!

E quais são os fatos estranhos sobre vocês? Comentem abaixo!
  • Share

Meus filmes favoritos

Olá, meus amores! Como estão? Olha, tenho que confessar: não sou a pessoa mais atualizada e antenada do mundo quando se trata de filmes e seus lançamentos. O exemplo disso é que, se alguém me perguntar pelo menos três filmes lançados ano passado, eu não vou saber citar nem um título sequer. Porém, diante do fato de eu não ser uma amante de filmes declaradamente, vou citar pra vocês meus cinco filmes favoritos da vida.

As Branquelas - White Chicks
Desde que foi lançado em 2004, "As Branquelas" tem sido meu filme de comédia favorito da vida e, não importa quantas vezes eu assista, vou sempre dar risada como se estivesse assistindo pela primeira vez. Apesar da classificação indicativa muito fora da minha idade na época e por conter algumas referências pouco apropriadas pra alguém de sete anos, pra mim era tudo na inocência hahaha.

Sinopse: Dois irmãos agentes do FBI, Marcus e Kevin Copeland, acidentalmente evitam que bandidos sejam presos em uma apreensão de drogas. Como castigo, eles são forçados a escoltar um par de socialites para o Hampton. Porém quando as meninas descobrem o plano do FBI, elas se recusam a ir. Sem opções, Marcus e Kevin decidem posar como irmãs, transformando-se de homens afro-africanos em um par de loiras.

Dirty Dancing
Geralmente, não me interesso por filmes que tem a dança como um dos focos principais e não os assisto por conta própria. E, foi nessa despretensão toda, que conheci e acabei amando Dirty Dancing. Quando tinha uns 12 anos, uma conhecida tinha o DVD do filme e colocava pra todo mundo assistir e eu terminei gostando até torna-lo como favorito. Ele é o mais velho dessa lista pois foi lançado em 1987 - e por isso adoro a trilha sonora do filme. Amo essas músicas internacionais mais antigas - inclusive as dos anos oitenta. Às vezes adoro ouvir pra tentar sentir como era viver naquela época.

Sinopse: Na esperança de curtir sua juventude, uma jovem fica decepcionada ao descobrir que seus pais passarão o verão de 1963 com ela em um resort na sonolenta região de Catskills. Mas sua sorte muda quando ela conhece o instrutor de dança do resort, Johnny, um rapaz com um passado bem diferente do dela. Quando ele a coloca como sua nova parceira, os dois acabam se apaixonando.

Edward Mãos de Tesoura - Edward Scissorhands 
Eu amo esse filme desde criança e devo ter o conhecido quando ficava passando na "Sessão Da Tarde" da Globo, inclusive eu lembro que sempre torcia pra que passasse mais vezes lá. Nessa época era triste, pois, a internet não era algo comum na vida de todo mundo como hoje em dia e eu dependia apenas da televisão pra assisti-lo (infelizmente não cheguei a comprar um DVD do filme). Enfim, apesar de ter assistido muito pouco, ele se tornou um favorito e marcou essa fase da minha vida.

Sinopse: Peg Boggs é uma vendedora que acidentalmente descobre Edward, jovem que mora sozinho em um castelo no topo de uma montanha, criado por um inventor que morreu antes de dar mãos ao estranho ser, que possui apenas enormes lâminas no lugar delas. Isto o impede de poder se aproximar dos humanos, a não ser para criar revolucionários cortes de cabelos.

O Menino de Pijama Listrado - The Boy in the Striped Pajamas
Desde que assisti pela primeira vez numa aula de português no ensino médio, fiquei impactada com esse filme e ele acabou se tornando um dos meus favoritos. Sempre quando alguém me pede alguma indicação de qual filme assistir, o recomendo sem nem pensar duas vezes! Ele foi lançado em 2008 e também existe o livro no qual o filme foi baseado mas, como não li, não sei dizer se há alguma diferença. Se nunca tivesse assistido antes e tivesse ouvido o nome desse filme por aí, com certeza iria achar que o filme fosse fofo e bobinho, porém, é completamente o contrário, sério!

Sinopse: Durante a Segunda Guerra Mundial, Bruno, um garoto de oito anos, e sua família saem de Berlim para residir próximo a um campo de concentração, onde seu pai acaba de se tornar comandante. Infeliz e solitário, ele vagueia fora de sua casa e certo dia encontra Shmuel, um menino judeu de sua idade. Embora a cerca de arame farpado do campo os separem, os meninos começam uma amizade proibida.

Ponte para Terabítia - Bridge to Terabithia
Conheci "Ponte para Terabítia" através de uma prima que era bem viciada nele e sempre ficava assistindo - numa dessas fui no embalo e acabei gostando. O filme é de 2007 e foi bem nessa época que assisti pela primeira vez. Um dos motivos que me levaram a considerar como favorito, é que eu consigo sentir como se estivesse no filme vivendo tudo junto com eles e como se fosse uma amiga dos dois. Apesar de ter um final que eu não desejaria que tivesse, eu não consigo não gostar dele hahaha.

Sinopse: Jess sente-se um estranho na escola e até mesmo em sua família. Durante todo o verão ele treinou para ser o garoto mais rápido da escola, mas seus planos são ameaçados por Leslie que vence uma corrida que deveria ser apenas para garotos. Logo Jess e Leslie tornam-se grandes amigos e juntos, criam o reino secreto de Terabítia, um lugar mágico onde apenas é possível chegar se pendurando em uma velha corda, que fica sobre um riacho perto de suas casas.

E quais são os fimles favoritos de vocês? Comentem abaixo!
  • Share

Coisas que mudaria em mim

Olá, meus amores! Como estão? Quando se trata de nós mesmos, é difícil ficarmos satisfeito com tudo. Seja por fora ou por dentro, sempre queremos mudar algo em nós. É natural do ser humano sempre buscar novas fórmulas de melhorar a versão atual de si mesmo e eu não estou de fora dessa. Diferente do que o título leva a pensar, nesse post não vou falar sobre o que mudaria na parte exterior/aparência, mas de mudanças internas que possivelmente são percebidas através de comportamentos e atitudes.

Eu aprendi (e ainda estou aprendendo) a amar cada parte do meu corpo, então não penso em mudar nada - por esse motivo que não vai ser sobre isso. No máximo mudaria meu cabelo eternamente pra liso, porém, pode ser resolvido com químicas e chapinha. Não que eu não o aceite do jeito que é, apenas é uma preferência pessoal. Enfim, é um pouco difícil falar sobre o que mudaria na minha parte interior porque estou sempre em constante mudança, mas, selecionei os mais presentes.

Seria mais desinibida
Pelo nome do blog, já dá pra adivinhar que sou tímida e que estou sempre em batalha pra superar a timidez - e é assim que resumo minha vida. Pra mim, tudo seria bem mais fácil se eu fosse mais desinibida e se conseguisse ser mais solta pra falar. Claro que meu sonho não é ser uma pessoa  espalhafatosa ou que até ficaria falando "oi" pra estranhos na rua, mas sim, não queria sentir aquele "sacrifício", ficar travada e batalhando comigo mesma pra tentar conseguir falar e conversar normalmente quando necessário, sabe? Seja com conhecidos ou quem sabe até falar com uma câmera.

Seria mais corajosa, especificamente para encarar o mundo
Na infância, vivi basicamente numa "capsula", pois, não podia brincar fora de casa com outras crianças e também nunca andei pela rua sozinha - seja pra ir/voltar da escola ou ir num mercadinho de esquina. E, por esse fato de eu ter sido superprotegida praticamente a minha vida inteira e não ter tido dessa experiência, cresci meio que com medo de encarar o mundo lá fora. É como se eu fosse incapaz de andar só, atravessar ruas, agir por conta própria ou que alguma coisa de ruim fosse acontecer - é aí que o medo vem. Até me sinto meio vulnerável quando penso que terei de fazer isso algum dia. Pra muitos é algo fácil e natural no dia-a-dia e pra mim está longe de ser assim.

Seria menos dura com meus sentimentos
Pra terem uma noção da dureza que trato meus sentimentos, por mais que eu goste ou esteja a fim de uma pessoa, nunca vou seguir meu coração ou deixar agir pela emoção e chegar dizendo o que sinto pra ela - a não ser que o mesmo já tenha manifestado os sentimentos pra mim antes. Da minha parte, não sinto que tenha nada relacionado com a timidez, apenas acabo achando que não vale a pena sentir isso porque vou terminar sofrendo. Então, sempre que gosto de uma pessoa, lá estou eu tentando me livrar desse sentimento e supera-lo a qualquer custo. É bem louco mas, eu prefiro deixar a pessoa sem saber que eu gosto dela ao invés de me dar a chance de saber o que ela poderia sentir por mim.

Seria menos distante
Sou ciente de que ter uma amizade não se resume em ser grudada com a pessoa vinte e quatro horas por dia, pois, cada um tem a sua vida e suas particularidades pra serem cuidadas. Mas, às vezes, sinto que dou mais espaço do que deveria e acabo ficando distante. Sem falar que, às vezes, fico tão entretida no meu mundinho que nem percebo que fico muito distante (bem automático mesmo). Eu já perdi amizade por conta do distanciamento de ambas as partes, porém, não me culpo. Também sei que uma amizade não depende apenas de mim, então, se a pessoa não faz a parte dela, não posso me cobrar e manter uma amizade sozinha. É meio complicado falar sobre isso porque envolve vários fatos, porém, eu gostaria de fazer mais da minha parte sendo menos distante.

Ser menos preocupada com o futuro
Não é difícil me pegar navegando em pensamentos do tipo "o que será de mim do futuro?" ou "será que vou fazer alguma coisa que vai dar certo?" e eu fico dando uma de vidente tentando imaginar exatamente como será a minha vida - uma coisa humanamente impossível. Eu queria mesmo era deixar de me preocupar com o futuro e focar totalmente meu pensamento na ideia de que tudo vai dar certo, cada coisa vai se encaixar na hora certa, que terei um futuro exatamente perfeito pra mim e que fico me preocupando à toa. No final das contas, convenhamos que não é tão fácil quando se tem uma mente que é movimentada por turbilhões de pensamentos a todo momento.

Seria (mais) vaidosa
Acho que vaidade não é uma coisa que só está do lado de fora mas também é algo que está dentro de cada um. Uma pessoa vaidosa não é necessariamente um ser que só se preocupa com aparência ou é fútil, mas sim, porque ela se sente bem e gosta de fazer isso. Eu nunca fui uma pessoa vaidosa e só saio por aí de cara lavada sem me importar com nada, entretanto, no fundo sinto vontade de ser (mais) vaidosa - nada exageradamente, claro. Não que eu fosse começar a depender de maquiagem pra me achar maravilhosa, no entanto, seria uma coisa pra me sentir diferente. Eu adoro ter várias versões de mim mesma e ser (mais) vaidosa seria mais uma delas.

E vocês, mudariam algo em si mesmos? Comentem abaixo!
  • Share

Tipos de fãs que não suporto

Olá, meus amores! Como estão? As redes sociais nos proporcionam estar em contato (diretamente ou indiretamente) com vários tipos de pessoas de jeitos diferentes uns dos outros e personalidades distintas. Inclusive, se você é fã, é normal querer estar presente entre outros e acompanha-los pra se sentir mais em casa. Porém, como nem sempre dá para se agradar com o que vemos por aí (ou com jeito que as pessoas se comportam nessa internet), decidi contar pra vocês os tipos de fãs que eu não suporto.

Que quer escolher o namorado do artista
Seja esse artista homem ou mulher, sempre tem aquele tipo de fã que quer ficar escolhendo com quem o artista deve namorar. Se observar, sempre usam as mesmas frases e argumentos: "Ah, mas eu prefiro o outro" e "Ah, mas ela combina melhor com fulano". E cá entre nós, o único que deve achar algo e escolher com quem quer se relacionar, é o próprio artista né, gente? Se ele for maior de idade, sabe muito bem cuidar da sua própria vida e sabe o que está fazendo. Ninguém pode dar uma de babá-cupido do ídolo e ficar escolhendo as coisas por ele. Apenas torça e deseje que ele(a) seja feliz.

Faz competição de números com ídolos alheios
Esse tipo eu poderia chamar de chartfã, pois, está sempre de olho nos números das venda do ídolo e fica jogando na cara dos fãs de outros artistas que tem menos - fora que também fazem isso com prêmios. Não é aquele tipo de fã que fica feliz com o crescimento e conquistas do ídolo e vê que ele está se dando bem, sabe? É apenas uma pessoa que se importa com números e usa para se vangloriar. Inclusive, as frases bem típicas que esse tipo de fã usa são: "Mas o seu ídolo é flopado, não tem nem meio bilhão de visualizações no YouTube" e "Mas o seu não vendeu trezentos milhões de cópias em cinco minutos como o meu". Não sei lidar!

Criam rixa com outros fandoms e entre os artistas
É muito comum ter rixa entre fãs de girlgroups diferentes que, ao invés de aproveitarem e gostarem dos dois grupos, preferem se limitar e ficar criando rixa entre eles mesmos e os artistas. Simplesmente agem como se estivessem competindo numa única vaga na industria musical para um grupo de cantoras. Ou seja, essa situação é incabível porque esse mundo da música é vasto e tem espaço para todo mundo. E nós que estamos de fora, ficamos imaginando que essas artistas não se suportam, possuem inimizade e se odeiam - e por isso esses fãs vivem em guerra - mas, 98% das vezes a imagem dessa relação são esses fãs que criam.

Desmerece os ídolos alheios pra enaltecer os próprios ídolos
Esse tipo de fã não deve saber mas, tem como gostar e demostrar que ama um artista sem ficar desmerecendo outros. Não sei qual é a necessidade em ficar fazendo isso, sério! Na maioria das vezes talvez a pessoa só queira chamar atenção, entretanto, reprovo esse tipo de atitude. O seu ídolo pode ser bom sim, de repente um dos maiores da geração atual, porém, isso não torna automaticamente os outros ruins ou menos talentosos. Cada um tem sua importância na música. Ninguém "pisa" em ninguém e cada cantor tem suas características próprias, seja a potência vocal ou qualquer outra coisa.

Se acha superior por ser fã de um artista respeitado
É bem normal ver fã de um artista que construiu uma carreira maravilhosa, admirável e fez/faz história no mundo da música se gabando, se achando intelectual e rei/rainha do bom gosto apenas porque é fã dele. É como se fosse o próprio artista e faltasse exigir tapete vermelho e fogos artifícios toda vez que for sair de casa. Uma coisa eu digo: ser fã de um artista renomado e bem-conceituado não te faz superior a ninguém e nenhum outro fã. Na verdade, nada faz alguém ser superior ao outro. Esse é apenas o seu gosto musical e a escolha que teve pra chamar alguém de ídolo.

Criam/fazem parte de panelinhas no fandom
Criar panelas não é uma exclusividade de fãs. Se você reparar, na escola, faculdade, trabalho e outros lugares do tipo sempre tem uma panelinha formada - e eu odeio panelinhas em geral. Pra quem não sabe, panelinha é basicamente um grupo fechado de pessoas que se juntam pra falar mal (não importa de quem seja) e sempre agem juntos para fazer qualquer coisa. Porém, como estamos falando de fãs, eles se juntam pra destilar o ódio e geralmente são os maiores responsáveis por brigas em redes sociais. Também atacam pessoas do próprio fandom ou até mesmo fãs de outro artista. Isso quando não cismam com o próprio artista e dedicam o tempo para atacá-lo nas redes sociais ou simplesmente ficam falando mal por "prazer".

E qual tipos de fãs vocês não suportam? Comentem abaixo!
  • Share

O que eu não gosto no YouTube

Olá, meus amores! Como estão? O Youtube pode ser um lugar enorme e cheio de vídeos que podem te proporcionar momentos legais, ensinar e informar sobre coisas mega úteis. Mas, como nem tudo é perfeito e muito menos repleto mil maravilhas, lá também tem coisas não tão boas assim e que dividem opiniões - seja pela forma como os criadores de conteúdos agem ou o que fazem na plataforma. E como eu não sou de ferro, vou contar pra vocês o que não gosto no Youtube.

Conteúdos repetidos
É muito irônico vários youtubers dizerem que, pra conseguir se destacar na plataforma, você precisa ser diferente e criativo. E se observar, mais tarde, os mesmos que disseram isso fazem tudo igual o que outros trezentos já estão fazendo. Cadê o sentido? Como todos nós podemos reparar, a cada época diferente tem uma onda de conteúdos repetidos rolando por lá. Recentemente foi reagindo a clipes, imitando fotos, tente não rir/chorar e mais um bocado. Isso é bem chato pra uma plataforma que tem milhares de "criadores de conteúdos". Ao invés deles criarem alguma coisa, vão seguindo a ondinha pra atrair mais visualizações e você se sente meio "obrigada" a ficar assistindo essas farofadas já que não tem mais nada de útil pra ver.

Introduções longas
Você aperta num vídeo na maior empolgação de assistir porque é sobre um assunto interessante e a pessoa simplesmente começa falando e enrolando dois longos minutos (ou mais) sobre algo que não tem nada a ver com o tema. Se eu percebo que a pessoa é enrolada naturalmente e provavelmente faz isso em todos os vídeos dela, já dou aquela pulada básica de dez a vinte segundos ou até mais. Quando não é assim, nos comentários sempre tem alguém pra salvar e dizer que o vídeo de fato começa em tal minuto e segundo - é onde eu vejo que não sou a única que se incomoda com isso.

Excesso de anúncios nos vídeos
O que diminui o meu interesse pra assistir um vídeo, é ver que ele é lotado de anúncios. Entendo que anúncios são uma forma da pessoa ganhar seu dinheirinho monetizando, porém, tudo se torna péssimo quando é usado em excesso. Então, ao invés das pessoas quererem assisti-los pra ajudar, vai se irritar e pular todos. Não necessita colocar um a cada minuto, é legal que faça um balanceamento do vídeo. Como por exemplo, se ele deu dez minutos ou um pouco mais, na minha opinião, dois anúncios é conveniente. Se for menos de dez, dois ou mais anúncios seria bem forçado. Acho que é importante ter um senso nessa hora.

Títulos apelativos
Também virou modinha colocar no título do vídeo muito alarde pra pouca coisa como, por exemplo, "respondendo perguntas polêmicas" sendo que a pessoa respondeu perguntas genéricas, "quase arranquei meu dedo fora" sendo que fez um mini corte no dedo, "quase quebrei a perna" se a pessoa só deu uma tropeçada no degrau e "tem fantasma na minha casa" sendo que é só o vento assoprando pela fresta da janela. Quando eu bato olho em títulos assim, já nem clico porque automaticamente me dá aquela preguiça. E, por incrível que pareça, ainda tem uns youtubers que conseguem disfarçar mais esses títulos e você só percebe que é apelativo quando assiste. Aliás, quando não é o título apelativo, é a miniatura, aí não dá pra defender.

Youtuber que não tem palavra
Se uma coisa me faz desistir de um canal, essa coisa é um youtuber sem palavra - em relação às postagens dos vídeos. Bem daquele do tipo que some por semanas e, quando volta, sempre tem uma desculpa pra dar e você pensa "é sério que isso vai acontecer de novo?". Tudo bem que imprevistos podem acontecer, mas, sempre tem aquele youtuber que fica prometendo e prometendo fazer mais vídeos frequentemente e fura a própria promessa. Uma coisa eu digo: se não pode uma coisa ou não está completamente disposto a fazê-la, apenas não prometa.

E vocês, o que não gostam no youtube? Comentem abaixo!
  • Share

Sinais de que o tempo passa rápido

Olá, meus amores! Como estão? Ultimamente deu pra eu ficar analisando o tempo e ficar observando o quanto ele passa rápido - posso até dizer que eu tenho uma intriga com ele por conta disso. Não sei se de fato ele passa depressa mesmo (ou sou eu que não sei administrá-lo muito bem), apenas sei que eu não consigo ignorar mais esse fato e sempre me pego queixando disso. Depois dos meus quinze anos, eu percebi que o tempo resolveu apertar o pé no acelerador e, desde então, sigo bem atenta nele. Foi por isso que, nesse post, decidi compartilhar com vocês alguns sinais que, pra mim, mostram como o tempo passa voando.

O natal chega cada vez mais rápido
Quando criança, era uma eternidade passar um ano inteiro até a chegada do natal - talvez seja por isso que o natal era pra mim uns dos maiores "eventos" e me deixava super empolgada. Hoje em dia, se você já tiver percebido, o natal chega mais rápido que o almoço de domingo hahaha. Mas falando sério, essa rapidez me surpreende bastante. Me surpreende tanto que, quando o natal chega, fico pensando: "mas o natal do ano passado não foi ontem?" ou "já é natal de novo?". Tipo, passa tão rápido e fica uma memória tão presente que não tem como cair na real que foi ano passado. Com isso, eu tirei a conclusão de que, quanto mais velho você vai ficando, mais o tempo corre.

Você se lembra de algo que aconteceu há anos como se fosse ontem
Por falar em sentir que as coisas ocorreram ontem, tenho que dizer que sou campeã em sentir isso! Inclusive, por conta desse fato, eu fico meio perdida no tempo porque acabo não sabendo quando e em que ano aconteceu tal coisa - se foi ano passado ou retrasado. Acho que a minha mente fica parada no tempo ou não consegue acompanhar a rapidez que os anos se passam. Um belo exemplo disso é que lembro parece que foi ontem que criei meu blog. Me recordo exatamente há quase três anos atrás quando estava tentando pensar num nome legal e iniciando a minha conta lá no Wordpress.

Alguma criança que você viu nascer na família já está grandinha
Já perdi a conta de quantos primos segurei no colo nessa vida e que hoje em dia praticamente já estão maiores que eu (e possuem uma idade considerável). Quando me deparo com essa realidade, eu fico meio tipo "me recuso a aceitar que tenha passado tanto tempo", é como se eles tivessem crescido e eu continuasse sendo a mesma - mesmo ficando mais velha também. Isso é bem louco! Desses primos que já segurei e vi eles com poucos dias de vida, atualmente uns possuem entre oito e nove anos e outros entre catorze e quinze. Parar pra ficar analisando isso é assustador!

Um álbum/música que você ficou ansioso pra lançar já tem cinco anos ou mais
Quem tem ou teve um lado de fã com certeza já viveu e sempre vai viver aquele momento de ficar ansioso pro próximo álbum ou música do artista favorito ser lançado. Eu mesma acompanhei de perto trabalhos de alguns dos meus ídolos, um deles foi o lançamento do álbum "Demi" da Demi Lovato - fora os outros álbuns sucessores dela. Eu também fiquei ansiosa para o lançamento de cada um dos clipes do álbum. E adivinha? Justamente esse ano ele vai completar cinco anos de lançado!

Um ano voa mais rápido quando você termina a escola
Eu nunca tive muita noção de que o tempo passa tão rápido até eu não ir mais pra escola, sério! Mas vamos confessar: quando a gente fica enfiada naquele lugar seis horas (ou mais), já é uma eternidade pra passar, agora imagina um ano inteiro? Inclusive, as férias do meio e fim de ano demoravam a chegar e os feriados chegavam de camelo. E se você ainda vai pra escola e também acha que um ano passa lentamente quando está lá, tenho certeza que, quando você terminar de estudar, vai ver ele passando rápido que nem um trem bala - se não fizer uma faculdade logo em seguida. Não é atoa que vai completar quatro anos desde que não estudo mais.

E pra vocês, qual sinal mostra que o tempo passa rápido? Comentem abaixo!
  • Share