Motivos que me fazem dar um tempo das redes sociais

Olá, meus amores! Como estão? Por mais que as redes sociais tenham poder pra muita coisa, às vezes me sinto sufocada por elas e preciso ter um tempo para respirar. É meio estranho ler isso de uma blogueira, pois, certamente eu deveria ser o tipo de pessoa que está sempre presente nelas, porém, apesar delas serem um instrumento do meu "trabalho" como blogueira, muitas vezes a necessidade de dar um tempo grita mais alto. Quando estou me sentindo carregada de sentimentos que não me fazem bem, me dou esse tempo pra colocar as idéias no lugar e me "recuperar". Confesso que já pensei muitas vezes em desistir de todas elas, mas, como também é uma necessidade, não posso simplesmente largar tudo. E como dar um tempo não faz mal a ninguém (e também vai me impedir de ficar louca), vou falar sobre os motivos que me fazem dar um tempo das redes sociais.

Fico muito focada na vida dos outros
As redes sociais são como uma vitrine de loja mas, no caso, o que fica exposto é a vida das pessoas. E por existir essa exposição, acabo ficando mais focada na vida alheia do que na minha. Um exemplo é: fico assistindo sem fim os stories das pessoas públicas que acompanho no instagram e, de tanto as mesmas postarem aquilo, já sei o que ela fizeram ontem, hoje e o que vão fazer amanhã. Como é bem interessante, você começa a ter uma sede de ver mais e não quer perder nada vida delas. A intenção das redes é ver o que outras pessoas estão fazendo ou postando, entretanto, quando você começa a se dedicar pra isso, simplesmente foca na vida delas e esquece da sua (e digamos que não é muito saudável).

Fico frustada
Por mais que alguém diga ser transparente e goste de mostrar a realidade pura nas redes sociais, convenhamos que ela nunca vai conseguir, porque não tem como mostrar cem por cento da vida nelas. Eu tenho consciência de que nenhuma delas que estão ali possuem uma vida perfeita e sem problemas, mas, como sou uma humana com turbilhões de sentimentos, não posso evitar momentos de recaídas. E nesses dias de recaídas, de tanto ficar vendo vidas alheias, inconscientemente começo a comparar minha vida com a delas e achar que a minha não é boa o suficiente. E é aí que vai começando crises de existência e todas essas coisas que me fazem ficar frustradas a com minha vida.

Crio muita expectativa
Eu não ligo pra curtidas, no entanto, às vezes crio muitas expectativas em relação a elas. Não recebo nem a metade de curtidas comparando com o tanto de seguidores que eu tenho e isso me incomoda bastante. Eu sei que é normal todos terem menos curtidas do que seguidores, porém, sou o tipo de pessoa que prefere ter poucos seguidores e curtidas equivalentes, do quer ter muitos seguidores e apenas 1% deles curtirem o que eu posto. Não vou ser hipócrita e dizer que saio curtindo tudo o que todos postam no feed, mas, eu tento curtir pelo menos a maioria. Se eu segui é porque provavelmente me interessei e não vou querer ninguém pra ficar enfeitando. E quando eu vejo que essa história está começando a me afetar mais do que deveria, eu fico longe pra me recompor.

Perco muito tempo nelas
Nós ficamos tão viciados nas redes sociais que, sem perceber, acabamos perdendo muito tempo nelas. Daqueles cinco minutos que você se dá pra ficar vagando e olhando coisas aleatórias, acaba virando uma hora ou mais. Muitas vezes não é por achar coisas interessantes, mas sim, porque já é um hábito. Se eu me deixar levar, perco muito tempo nas redes sociais e acabo deixando de fazer alguma coisa que tinha planejado. Depois de perceber o tempo que estou começando a perder me dando só mais um minutinho pra desligar, é que eu me dou conta de que o tempo está passando e eu não estou fazendo o que deveria estar fazendo. Esse é o momento em que me afasto pra priorizar o que é importante.

Muitas vezes não sei o que postar
As redes sociais são uma extensão da sua vida. Na medida em que você vai vivendo, vai registrando momentos para postar nelas. Contudo, quando você tem uma vida parada (como é meu caso), não tem muito o que compartilhar. Claro que eu não queria viver ou ter momentos legais só pra alimentar uma conta de Instagram na intenção de ter um feed "invejável", mas, é exatamente por eu não viver que acabo me chateando e não sabendo o que postar. No Facebook, ainda consigo compartilhar outras coisas bem aleatórias pra não ficar tão parado, porém, no Instagram não existe outra forma de você levar pra frente, já que é uma rede social movida por momentos da sua vida.

E vocês, já sentiram vontade de sair das redes sociais? Comentem!
  • Share

O que eu não gostava na escola

Olá, meus amores! Como estão? Pra quem não sabe, já tenho vinte anos e estou livre da escola há três anos (amém!). Falo livre porque eu sempre detestei ir à escola. Eu não era uma má aluna (até porque se eu fosse iria levar surra em casa), mas, como é uma obrigação do ser humano, não tinha como fugir. Eu nunca gostei de escola, falando melhor, eu até que gostava um pouco, porém, a partir da quinta série que as coisas foram se complicando. O ensino médio, em especial, me sobrecarregou muito, pois, além de ser na manhã, entraram outras matérias no currículo.

Sempre me diziam que, quando eu saísse da escola, sentiria falta depois (sempre discordei disso). Conclusão: até hoje não sinto a menor falta. E, aproveitando todo esse papo de escola, no post de hoje vim falar das coisas que eu não gostava na escola. Bom, eu poderia citar um milhão de coisas que eu não gostava lá, mas, pro post não ficar grande, resolvi resumir um pouco.

Trabalhos em grupo 
Se tinha uma coisa que eu odiava quando algum professor pedia, essa coisa era formar grupos para fazer trabalho. Sempre fui uma pessoa tímida que não tinha amigos e, geralmente, os grupos formados em trabalhos já eram as panelinhas da sala. E como eu não participava de nenhuma panelinha, sempre ficava sem grupo. Isso nunca me incomodou, porém, saía prejudicada. As únicas opções que me restavam era: entrar num grupo onde eu não era bem-vinda (e não gostava das pessoas) ou não fazer o trabalho. Geralmente, eu preferia a segunda opção. Se o trabalho não precisasse de uma apresentação, eu fazia tudo sozinha e não achava nem um pouco ruim, afinal, eu iria receber uma nota justa pelo meu próprio esforço.

Aulas de educação física
Se a intenção da escola é incentivar o aluno a praticar esportes, então estão fazendo completamente errado! Pelo menos na minha escola era tudo errado. Quando não tinha aula só com futebol, era vôlei - e só ficava entre esses dois o ano inteiro. Eu sempre odiei esportes e não perdia uma chance sequer de ficar no cantinho da quadra sem fazer nada porque ninguém merece. Eu também era a excluída ou a última a ser escolhida na hora da seleção dos times (porque eu não fazia questão em ser boa jogadora), mas, eu realmente não queria que alguém me escolhesse. Confesso que, sempre torcia pro professor faltar ou chover no dia que tinha educação física só pra não ter aulas na quadra. O que era difícil acontecer, porém, comemorava quando acontecia.

Aulas de matemática
Matemática é assim: ou você ama ou odeia. E, como vocês podem perceber, eu odeio. O professor tem grande influência nisso, ou seja, se o ele for chato e não souber explicar direito (e ainda acha que explica bem), eu consigo odiar a matemática mil vezes mais. Quando eu odeio algo, eu simplesmente não consigo ir bem/me dar bem e a matemática é uma dessas coisas. O caso foi só piorando quando comecei a estudar de manhã, além de não ir nada na bendita matéria, já fiquei várias vezes de reforço (sofrimento em dobro). Quem é que consegue entender alguma coisa complicada e chata de manhã quando está com sono? Eu mesma não!

Aula dupla de uma matéria chata
Quem mais se desanimava naqueles dias que tinha aula dupla de uma matéria insuportável? Pra mim, era uma tortura ficar nas aulas de sociologia, história entre outras. E justo nesse dia, você não podia sonhar em faltar porque levava falta em dobro. O pior de tudo, é que as horas não passavam rápido e, cada vez que você olhava no relógio, tinha passado somente dois minutos. Bem ao contrário de uma aula legal e bem produtiva que passava tão rápido que nem você percebia.

Tempo de intervalo
Não sei na escola de vocês mas, na minha o tempo de intervalo era muito pouco pro meu gosto. Era apenas vinte minutos depois de ter quatro aulas de cinquenta minutos, tipo, "oi, é aqui a escravidão?". Nem preciso dizer que esses vinte minutos passavam como se fosse apenas cinco, né? O pior é que, quando faltava pelo menos entre três e cinco minutos para bater o sinal, as inspetoras já mandavam todo mundo ir pra sala. Ou seja, desses vinte minutos acabava virando menos. Quem é que consegue descansar ou relaxar a mente em tão pouco tempo? Logo depois ainda tinha que aguentar mais duas aulas.

Gente interesseira
Existe gente interesseira em todo canto e claro que a escola não poderia estar fora disso. A pessoa pode passar por você na sala, não olhar na sua cara o ano inteiro e nem dar te um "oi" alguma vez, mas, é só você aparecer com algo de comer que essa vai ser o primeiro tipo de pessoa a sair pedindo pra você. É tão mágico levar comida pra escola que parece que ela rapidamente nota a sua presença/existência naquele lugar. E quando ela leva algo pra escola, é claro que ela não te dá ou te oferece, afinal, é interesseira e pessoas interesseiras são assim.

E vocês, o que não gostam/gostavam na escola? Comentem!
  • Share

Formas diferentes de pendurar posters

Olá, meus amores! Como estão? Há muitos jeitos criativos de decorar com posters sem ser da maneira mais tradicional que é comprando quadros/molduras. Se você tem dificuldades de encontrá-los onde mora (ou acha muito caro), então, agora não tem desculpas pra deixar de pendurar aquele poster lindo que você quer imprimir ou já tem aí na sua casa. Pensando nisso, vim dar umas ideias legais e diferentes pra você esquecer das molduras e optar por algo mais criativo e baratinho com coisas que você provavelmente já tem aí na sua casa. Se você ainda dizer que prefere a moldura porque ela protege mais o poster, vale lembrar que existe papel contact transparente e você pode usá-lo pra encapar o poster na frente e verso. Vamos lá?!

Com cabides
Quem diria que um simples cabide de roupas poderia fazer parte da decoração, não é mesmo? Todo mundo tem pelo menos um cabide sobrando em casa no armário, então, essa é a hora certa de pegar para usá-lo! Se o cabide que você pretende usar não for de saia e não tiver prendedores para pendurar o poster (como nas duas fotos abaixo), pode contar com o auxílio de "binder clips" que são esses clipezinhos que estão na terceira foto abaixo. E se o cabide não tiver uma cor que legal e que não te agrade, é só jogar o spray e ser feliz! Acho que também já existe um cabide específico para pendurar posters, mas meu intuito é mostrar e oferecer uma coisa mais "faça com o que você já tem em casa sem gastar muito".

Com pranchetas
Pra quem adora uma decoração com mais "cara de Pinterest", essa é uma opção perfeita! Essa ideia é ótima, pois, tem como trocar de poster se caso enjoar da decoração. Com isso, já vai conseguir dar uma cara bem diferente pro ambiente. A prancheta simples já é charmosa, mas você também pode customizá-la como quiser. Eu acho que pranchetas juntas de posters ficam lindos de morrer em home offices. Ao contrário do que muitos pensam (e do que eu achava), é que pranchetas são muito baratinhas. Dependendo do lugar e do material que você for comprar, elas não passam de cinco reais (um exemplo é a de MDF). E, como só vai precisar de algumas pra decorar, você não vai gastar muito se não tiver nenhuma.

Fita adesiva
Uma boa opção pra você que mora de aluguel e não pode furar a parede (ou tem receio de furar), é pendurar/fixar seus posters na parede com fitas adesivas. Em especial, essas fitas coloridas das fotos abaixo são chamadas de "washi tapes". Elas são de origem japonesa e não danificam a parede ou a superfície que são coladas, pois, são feitas com papel de arroz. Além de existir uma variedade enorme de cores delas, também não faltam opções variadas de estampas, então, dá para brincar bastante na hora de decorar. Pra deixar tudo mais harmônico, é só comprar fitas das cores que combinem com os posters e com o ambiente. Não dá pra negar que fica muito lindo! Eu mesma estou apaixonada pelas fotos abaixo!

Binder clips
Os binder clips já foram citados ali em cima como um auxílio para pendurar o poster com cabide, mas, agora podemos ver que eles também podem ser usados sozinhos. Inclusive, tenho certeza que, quem ama uma decoração mais minimalista, vai pirar nessa ideia! Eles são bem baratinhos e normalmente são vendidos em várias unidades (e existem outras cores variadas além do preto). Assim como as outras ideias, é muito fácil de colocar na parede, só basta usar prego pequeno ou ganchinhos e colocar dois binder clips em cada ponta na parte de cima do poster ou, se preferir, só um no centro dele.
O que acharam? Comentem abaixo!
  • Share

Coisas que me irritam

Olá, meus amores! Como estão? Geralmente, eu sou uma pessoa tranquila, da paz e me irrito com poucas coisas na vida. Mas, como não sou de ferro, também fico irritada com algumas coisas. Então, de certa forma, é bem fácil falar das coisas que realmente me irritam porque a lista não é tão grande assim. A não ser que num dia eu acorde inspirada a me irritar com todas as coisas existentes nessa vida. Nesse caso, me irrito até com coisas inimagináveis e bestas que, geralmente, num dia normal eu nem ligo. Pensando no que me irrita, no post de hoje separei algumas dessas coisas que me tiram do sério.

Pessoa que não me conhece e pede meu WhatsApp
Eu não suporto gente que mal me dá um "oi" e já pede meu whatsapp, sério! Esse povo está tão sedento pra ter "contatinhos" que sai por aí pedindo como se fosse táxi. Mas comigo não funciona assim! Eu vejo o WhatsApp como uma coisa mais pessoal e reservada, ou seja, priorizo a família ou quem realmente tem uma amizade comigo. E eu sei muito bem que se passar pra quem já vem pedindo, vou virar só mais um "contato enfeite" no telefone dela depois. Então, qual é a vantagem de dar o número pra alguém que vai falar com você só por um ou dois dias e depois esquecer da sua existência? Cara, existem tantas redes sociais por aí com bate papo/chat, o que custa usá-las ao invés de pedir meu WhatsApp?

Gente que é inconveniente e não se dá conta
Eu sou muito transparente e sincera e, quando alguém está me incomodando, eu não consigo disfarçar mesmo. O fato é: pra alguém não perceber que está sendo inconveniente, no mínimo não deve monitorar suas próprias atitudes (ou deve ser muito sem noção). Em um caso extremo, eu alerto a pessoa e jogo a real pra ela se tocar. Mas, geralmente, prefiro dar uma bela oportunidade pra ela perceber que está sendo inconveniente, e então, parar de uma vez por todas. Eu evito ser "grossa", mas tem gente que pede!

Gente que fala até pelos cotovelos
Eu não suporto gente que fala demais, bem daquelas que contam histórias que nunca acabam e parece ter uma boca em cada centímetro do corpo, sabe? Não que a pessoa não possa falar, pois, cada um está no seu direito, mas tudo tem um limite né? O silêncio é necessário tanto quanto falar e, eu acho importante saber a hora certa pra cada um deles. Quando a pessoa não para a boca nem um segundo, é como se ela tivesse estraçalhando minha paz interior. Eu começo a ficar impaciente e querer me isolar numa cúpula de vidro pra não ouvir mais nada durante um bom tempo.

Tudo ficar lento quando estou com pressa
Tudo está normal quando eu estou fazendo as coisas sem pressa e na maior calma do mundo. Porém, é só eu ficar com pressa que tudo decide ficar lento. Até parece que isso acontece propositalmente só para eu me irritar de verdade. O computador, por exemplo, é mestre em me desafiar quando estou apressada e, como se não bastasse, a internet e o navegador vão no embalo. Aí todo mundo trava e fica lento e minha irritabilidade só aumenta.

Pais que não colocam limites em filhos
O que eu nunca suportei nessa vida é aquele tipo de mãe e pai que não colocam limites nos próprios filhos. As crianças está lá colocando a sua casa de cabeça pra baixo enquanto os pais fingem que não estão vendo o que elas estão fazendo (ou simplesmente acham a cena linda e ficam dando risada). Eu fico abismada com esse tipo de coisa e sinto vontade de agir por eles e colocar a criança na linha. Eu já decidi que não quero ter filhos na vida e ter que ficar corrigindo filho alheio porque os pais não dão conta é uma palhaçada! Fico só imaginando quando essas crianças crescerem o desastre que vai ser.

Pegam algo emprestado sem pedir
Me sobe uma raiva tão grande quando eu preciso muito de uma coisa e ela não está ali porque alguém pegou emprestado sem pedir. Eu só queria saber: o que custa pedir antes de sair pegando o que não é seu? Dependendo do que for, eu não vou negar, mas, é muito mais lindo (e não dói) você chegar e pedir. O pior dos casos é quando a pessoa te pede algo emprestado e não devolve. Eu simplesmente tenho vontade de esfregar na cara dela que o sinônimo de "emprestar" é diferente do de "dar". Isso também me faz querer emprestar menos as coisas para as pessoas - e depois ainda sou taxada como egoísta.

O que irrita vocês? Comentem abaixo!
  • Share

Cinco posts para ler

Olá, meus amores! Como estão? Nesse mês de setembro, o blog faz dois anos de existência e, eu não poderia deixar passar em branco, né? Dessa vez, ao invés de dizer mais sobre o blog ou contar a história dele (até porque eu já fiz coisa parecida ano passado), pensei em fazer uma coisa diferente. Esse ano de 2017 foi o ano que o blog mais alavancou comparando com o primeiro ano (ano passado) e, querendo ou não, postagens mais antiguinhas acabam ficando "enterradas" com o passar dos tempos. E, pra não agir com injustiça, eu reuni cinco posts do Apesar da Timidez para você ler - se ainda não tiver lido. Quatro delas abaixo são do ano passado então, você que conheceu o blog esse ano e não leu nenhum deles, agora vai ter oportunidade de ler. Espero que gostem!

Conheça a Urban Lady
Primeiramente, é claro que não poderia faltar o post que eu nunca achei que faria tão cedo na minha vida que é falando mais sobre a Urban Lady. A Urban Lady é a loja online de roupas e acessórios que virou parceira aqui do blog esse ano. E, como vocês não poderiam estar de fora dessa parceria que já dura cinco meses e alguns dias, existe um cupom de desconto de 5% válido para o site inteiro, é só usar apesardatimidez. Bom, já dei muito spoilers aqui, então, se bateu uma curiosidade, corre ler o post!

Cinco dicas para melhorar seu dia
Eu acredito que, de certa forma, quem determina como o dia vai ser é você a partir dos seus pensamentos. É como se os pensamentos atraíssem coisas ou se refletissem no seu dia, sabe? E, com o intuito de te ajudar com isso, nesse post dei cinco dicas do que fazer pro seu dia ser melhor. Não que ninguém não tenha o "direito" de ter um dia ruim (até porque isso é normal na vida) mas, quando você sente ou deseja que ele poderia ser/estar melhor, você sim pode fazer coisas simples para tudo melhorar.

A importância da divulgação
Para um blog crescer, a divulgação é uma coisa indispensável, pois, é com ela que as pessoas vão conhecer o seu trabalho e começar a te acompanhar. A divulgação é uma das partes mais trabalhosas de ser um blog porque, também demanda tempo e dedicação, já que temos mil e uma redes sociais para tomar conta. Nesse post, falo/explico exatamente sobre a importância que a divulgação traz para o seu blog. E como também sou cheia de grupos e comunidades, no post eu indico alguns deles que eu faço parte.

Quem vê, até pensa que ser blogueira é uma tarefa muito fácil mas, muitas vezes temos que lidar com a falta de criatividade. É literalmente um desafio trabalhar com a criatividade e, como nós blogueiros precisamos dela para produzir conteúdos, nada mais justo que compartilhar umas diquinhas, não é mesmo? Já que nem sempre dá pra escapar de um bloqueio criativo. No total, são oito dicas e são exatamente as mesmas coisas que eu faço quando a criatividade não está colaborando muito comigo.

Desde que eu descobri o Patternator, ele virou um dos meus aplicativos favoritos. Como adoro dividir de tudo um pouco com vocês aqui, não perdi a oportunidade de falar sobre ele em um post. Resumindo um pouco: ele faz aqueles wallpapers/patterns que se repetem, ou seja, dá pra usar em fundos de conversas. Eu também ensino como usar o aplicativo e já adianto que é bem fácil. Você que é viciada em wallpapers e fica trocando toda hora assim como eu, vai se divertir e adorar criar os seus próprios wallpapers nele.

  • Share

Dificuldades de blogueiras iniciantes

Olá, meus amores! Como estão? No começo de muitas coisas sempre enfrentamos dificuldades, né? No começo de um blog não é muito diferente. Ao contrário do que muita gente de fora acha que é fácil levar um blog pra frente ou de que blog só nos traz regalias, nem imagina as dificuldades que passamos (ou já passamos) para chegar em algum lugar e conquistar alguma coisa. Com isso, eu vou citar algumas dificuldades que geralmente blogueiras iniciantes tem - e que com certeza você vai se identificar com alguma.

Criar um nome
Parece ser apenas um pequeno detalhe, mas não é nada fácil criar um nome legal, fácil de lembrar e que dê aquele impacto. Tem que ter todo um cuidado na hora de criá-lo, pois, você não pode criar um nome muito específico se quer abordar vários assuntos no blog. Por exemplo: inventar um nome com algo de maquiagem e depois fazer posts falando sobre decoração. Quando você usa um nome específico como esse, você também mira num publico bem específico. Isso vai confundir quem encontrar seu blog porque a pessoa clicou no intuito de ver posts sobre maquiagem e não de decoração ou qualquer outra coisa.

Encontrar um layout e fazer alterações
Lembro exatamente que a minha maior batalha no começo era encontrar um layout bonito, que atendia minhas exigências e, que além de tudo, fosse gratuito. Como eu não conhecia nenhum site que oferecesse layouts gratuitamente, eu ficava meio perdida e trocava toda hora - e foi assim até eu achar o atual. Pior que isso mesmo, é quando você está no começo de tudo e quer modificar o template mas, não sabe nada sobre html e fica parada no tempo. No caso, a decisão mais comum é a pessoa assistir tutoriais no YouTube pra aprender alguma coisa ou pedir ajuda pra quem sabe.

Ter ideias
O bloqueio criativo pode sempre aparecer independente de quanto tempo você tenha o blog, mas no início é bem pior - pelo menos pra mim foi. Você até tem noção dos assuntos que quer abordar mas, acaba faltando ideias para posts porque você ainda não sabe explorar muito bem os temas e assuntos.
Tudo é uma questão de tempo e, com ele, você pega o jeito e aprende a ter uma visão mais ampliada das coisas. Com o tempo as ideias também vão começar a brotar com mais facilidade.

Se manter motivada
Quando você começa um blog, começa por si mesma e porque adora fazer isso, pois, você não tem leitores, muitos comentários e nem visualizações. Não que números sejam totalmente importantes mas, pra quem não tem paciência de obter resultados significantes, pode ser muito frustrante. Por isso, eu acho importante você amar o que faz (blogar) porque o começo/os primeiros anos é um teste de persistência e determinação, vai por mim! Você vai ficar desmotivada? Vai! Mas se o blog é o ar que você respira, cinco minutos depois vai estar com a motivação renovada e pronta pra continuar.

Criar um logo
Outro detalhe que parece ser simples mas, que você pode passar "a vida inteira" indecisa e escolhendo, é criar ou definir seu logo. A logo faz parte da identidade do blog então, não é uma tarefa fácil de definir porque tem que combinar com o nome do blog. No meu caso, eu não gosto de qualquer fonte. Ao mesmo tempo em que ela tem que ser elaboradinha e diferente, também não pode ser tão exagerada ou simples demais. E se você é uma indecisa assim como eu e fica naquele dilema se põe ou não alguns enfeites, símbolos ou se deixa só a fonte, eu te desejo boa sorte.

Investir no blog
Essa é uma das coisas que ninguém te fala quando você cria um blog que é a parte de investir nele. Sim, você também tem que desembolsar seja com o domínio, hospedagem, um layout feito exclusivamente pra você, enfim, coisinhas que no final fazem diferença. Claro que não é uma obrigação você gastar com o seu blog desde o começo, eu mesma não gastei nenhum centavo até hoje porque não trabalho e meu dinheiro é sempre contado mas, eu sei que isso ajudaria a deixá-lo totalmente profissional. E quanto aos equipamentos, eles não devem ser uma preocupação, pois, os celulares de hoje em dia praticamente superam as câmeras digitais. Resumindo, você pode fazer gambiarras e se virar com o seu celular pra tirar fotos de produtos para fazer resenhas até puder comprar algo melhor.

Sabem outras dificuldades de blogueiras iniciantes? comentem!
  • Share

Cantora favorita do momento: Dua Lipa

Olá, meus amores! Como estão? Eu sou uma pessoa que está sempre em busca de cantores e músicas novas para conhecer (e amar) porque, como vocês sabem, sou ligada em música praticamente vinte e quatro horas por dia. E, quando eu realmente gosto de uma coisa, amo sair compartilhando para que todos tomem conhecimento e comecem a gostar também, pois, eu gosto de ver o talento das pessoas sendo reconhecido e não sendo injustiçado. Como, recentemente, eu conheci uma cantora maravilhosa vulgo Dua Lipa, no post de hoje vou contar um pouco mais sobre ela, sobre a sua trajetória e como a conheci.

Dua Lipa, sim, esse é o nome verdadeiro dela (também estranhei muito e pensei que era só nome artístico) nasceu no 22 de agosto de 1995 em Londres. Ela é de origem albanesa, seus pais saíram de Pristina - Kosovo cinco anos antes de seu nascimento para morar no Reino Unido. Em 2008, quando Dua tinha 13 anos, eles retornaram para Kosovo mas, como a maior vontade de Dua Lipa era construir sua carreira musical, alguns anos depois ela voltou pra Londres e acabou morando na casa de amigos.

Antes de virar uma cantora (e compositora) de fato, ela já fazia trabalhos como modelo. Sua carreira na música iniciou quando ela tinha apenas quatorze anos e postava covers no YouTube de suas músicas favoritas. Nelly Furtado e Pink sempre foram as cantoras que inspiraram Dua Lipa e a mesma acredita que ambas a influenciaram no que ela faz hoje. Em 2015, ela assinou um contrato com a gravadora Warner Bros e, no mesmo ano, lançou dois singles chamados "New Love" e "Be The One". Em 2016, ela também lançou mais alguns singles e fez algumas participações em músicas. Apesar desses singles lançados e dessas participações, finalmente seu primeiro álbum intitulado com o seu próprio nome foi lançado em 2 junho deste ano.

Eu não lembro exatamente qual foi a primeira música que ouvi dela porque foi bem por acaso, sabe? Mas, quando me dei conta, já estava ouvindo uma, duas, três músicas e, de repente, viciada no álbum inteiro (e pesquisando sobre ela). Porém, o responsável por eu ter conhecido a Dua foi o Spotify. O álbum dela é daqueles que você não consegue pular nenhuma música porque todas elas são boas demais. Particularmente, eu acho que isso é meio raro, pois, geralmente, só uma música ou outra é legal nos álbuns dos artistas. Eu fico pensando: se o primeiro álbum está assim, maravilhoso, imagina os próximos? Só estou aguardando! E o que falar da voz dela? Meu Deus do céu, é capaz de arrepiar qualquer alma! Eu não sei se algum dia vou conseguir lidar!

Pra vocês que se interessaram e/ou ainda não conhecem o trabalho dela, separei abaixo algumas dessas músicas maravilhosas. Espero que aproveitem bastante!




Já conheciam ou gostavam? Comentem abaixo!
  • Share