Como tornar a divulgação (mais) agradável

Olá, meus amores! Como estão? Na minha sincera opinião, a divulgação é a parte menos divertida de se ter um blog, sério! É praticamente um teste de resistência e é um momento em que exige muita disposição mental e paciência. Muitas pessoas podem gostar de sair divulgando por aí mas, pra mim, acaba sendo puxado porque eu não divulgo em meia dúzia de grupos e comunidades. Enquanto eu não ver que um post foi bem divulgado, eu não sossego. Porém, felizmente, há coisas que você pode fazer pra tornar esse momento da divulgação mais legal. Eu, pelo menos, criei algumas "fórmulas" pra tornar a divulgação uma coisa mais agradável na minha vida e vou compartilhar elas com vocês!

Divida a divulgação em partes
Antes, bem recentemente mesmo, eu tinha a mania de sair divulgando em todos os lugares só num mesmo dia (assim que publicava um post) e apenas parava só quando terminasse tudo. No final das contas, era só pra ter aquela sensação de "agora estou livre", porém, percebi que isso não valia tanto desgaste. Realmente eu faço uma divulgação bem pesada (pois estou em centenas de grupos e comunidades) e, passar em torno de quatro horas diretas só sentada divulgando, exige muito. A única forma que eu achei pra conseguir gerenciar isso, é separar a divulgação por dias e está funcionando super bem! Num dia divulgo no Google Plus e no dia seguinte no Facebook. Além de eu não ficar sobrecarregada, divulgar se tornou uma tarefa mais agradável.

Ouça música animada
Logo eu, amante da música, como deixaria essa dica de fora? Se você tem dificuldades em achar a hora da divulgação divertida ou não está em um dia bom a ponto de estar empolgada, coloca aí uma música bem animada pra tocar e deixa ela tomar conta da sua vibe! E isso também serve pra quando estiver precisando daquele gás a mais na hora da divulgação. Podemos dar graças a Deus por termos músicas ao nosso dispor que são capazes de ajudar no nosso humor, então, nada mais justo que usufruir delas pra tornar aquele momento da divulgação mais prazeroso.

Não veja a divulgação como uma obrigação
Não sei vocês mas, a partir do momento em que vejo algo como obrigação, automaticamente essa coisa se torna chata na minha vida e eu fico "lutando" pra tentar lidar com ela. Bem na loucura mesmo. Infelizmente, a divulgação estava se tornando uma dessas coisas porque eu mesma me obrigava a divulgar tudo num mesmo dia. Divulgar é uma coisa que faz parte da minha função como blogueira então, se eu quero que o mundo conheça meu blog, eu tenho que tornar essa relação com a divulgação a melhor possível - afinal é ela que proporciona isso. Se você, assim como eu, também tem esse problema com as obrigações, procure corrigir essa coisa que te faz sentir obrigada a divulgar. O mais importante, lembre-se que: ninguém vai te cobrar ou dar bronca porque você deixou de divulgar em tal dia e tal hora. Você é a única que comanda tudo.

Divulgue sem pressa e com paciência
Parece bem óbvio que você deve ser paciente e agir sem pressa na hora da divulgação mas, na prática, acontece outra coisa. Muitas vezes a pressa de acabar a divulgação rapidamente é maior que a paciência de fazer tudo com calma porém, é essa paciência que é fundamental para tornar as coisas melhor. Como é que você vai tornar esse momento mais agradável e aproveita-lo de uma boa forma se está focada na pressa de terminar logo? Percebia que, quando estava mais impaciente e com pressa pra acabar de divulgar, o meu computador cismava em ficar lento e travando - o que me fazia gastar mais tempo e ficar mais impaciente. De que vale a pena tanta impaciência e pressa se, mais cedo ou mais tarde, você vai terminar de divulgar?

E vocês, fazem alguma coisa pra tornar a horinha da divulgação mais agradável? Comentem!
  • Share

Compras: itens holográficos

Foto retirada de camilarech.com.br e editada
Olá, meus amores! Como estão? Pra quem não sabe, o efeito holográfico estava em alta lá nos anos oitenta e esteve presente entre nós novamente em 2013. Desde então, não deixou de dar umas reaparecidinhas nos itens e, principalmente, no mundo da moda. Pra mim, ele poderia ficar em alta pra sempre porque é uma ótima opção pra não deixar nossos looks tão óbvios - seja em peça de roupas, sapatos ou nos acessórios. Eu, infelizmente, não tenho nada holográfico mas, se o dinheiro permitisse, confesso que já estaria descontrolada comprando tudo - inclusive calçados. Aliás, só de ficar procurando e selecionando itens pra esse post, eu fiquei automaticamente pobre haha. Enfim, separei alguns itens holográficos (maravilhosos) para vocês conferirem!

1- Bota cano curto holográfica na Kanui / 10- Estojo holográfico gato da Imaginarium
2- Carteira holográfica prata na Kanui / 11- Tênis holográfico Cravo & Canela na Kanui
3- Copo holográfico unicórnio da Uatt? / 12- Cropped alien holográfico do Fashion's Killer
4- Scarpin FiveBlu holográfico no Dafiti / 13- Necessaire holográfica no Dafiti 
5- Bota Dafiti Shoes do Dafiti / 14- Chocker holográfica no AliExpress 
6- Tênis Pop holográfico no Tricae / 15- Sandália Vizzano holográfica no Dafiti
7- Mochila holográfica grid da Imaginarium / 16- Mochila holográfica no AliExpress 
8- Bolsa transversal Santa Lolla no Dafiti / 17- Sandália tratorada holográfica da Taquilla
9- Gloss labial Hologloss no Mercado Livre

Qual foi o item favorito de vocês? Comentem abaixo! 
  • Share

Sonhos de infância que não se realizaram

Olá, meus amores! Como estão? Nem sempre temos o que queremos nessa vida, não é mesmo? Não sei se isso é bom ou ruim, porém, sou completamente grata pelo fato de que vários sonhos que tive na minha infância foram realizados. Bom, o rumo pra esse post é o contrário e vou contar sobre os meus mini sonhos de infância que não se realizaram. Uns eu não tenho mais, outros ainda moram em mim mas, a esperança é a última que morre, né? Afinal, esse nosso mundão dá várias voltas loucas que impressiona a gente.

Ter uma casa na árvore ou de brinquedo
Como eu iria ter uma casa na árvore se nem morava num lugar apropriado pra construir? Não fazia a menor ideia! Porém, sonhava inocentemente com isso. No lugar da casa na árvore, também aceitava uma casa de boneca (que condizia mais com a realidade) onde eu pudesse entrar nela pra brincar, mas, aposto que uma dessa era caríssima - e as condições não permitiam. Eu nunca tive a audácia de pedir uma coisa dessas pros meus pais porque eu tinha noção das coisas e, enfim, não queria chatear eles por pedir algo fora das possibilidades.

Ter um carrinho de controle remoto
Quando você é uma criança (e menina) tem todo aquele lance de que "não pode ter ou brincar brinquedo de menino" mas, eu nunca liguei pra isso, sério! Pra mim, brinquedo era brinquedo e ponto. E como eu sabia que iria levar um "não" se pedisse um "carrinho de menino", lançaram um carrinho de controle remoto da Xuxa que era rosa, então, eu tinha a desculpa perfeita pra ganhá-lo. Acabou que eu não ganhei nada porque não devo ter insistido o suficiente pra me darem.

Ver vários presentes debaixo da árvore de natal em casa
Vocês devem estar pensando "que tipo de sonho é esse?" e eu também não sei explicá-lo, apenas tenho. Apesar de saber que o sentido do natal não é só dar e ganhar presentes, eu sempre quis ver a árvore da minha casa repleta de presentes (não necessariamente todos só pra mim) assim como nos comerciais de natal. Difícil era isso acontecer porque nem árvore nós tínhamos hahaha. Ainda não realizei esse sonho, pois, cada vez é mais raro eu receber algum presente nessas datas especiais do ano (e se quero presente eu também tenho que dar algum).

Moto elétrica
Não sei se hoje em dia ainda existe dessas motinhas (porque eu nunca mais vi), entretanto, era meu enorme sonho de consumo. Eu lembro que quase cheguei a ter uma quando era criança mas, não deu certo. Até tenho uma memória de eu e meus pais indo numa loja de shopping pra tentar comprar uma, porém, acho que não tinha lá. Apenas me lembro perfeitamente que voltei pra casa sem a minha moto elétrica. Em compensação, eu tive uma bicicleta da Barbie que era divertida e legal tanto quanto uma moto elétrica.

Ter um quarto com sacada
Esse é um sonho bem específico e, com certeza, um dos maiores que tive na infância. Acho que o meu desejo mesmo era acordar e poder apreciar a paisagem que a sacada ia proporcionar - e pelo espaço a mais que eu teria pra brincar. Atualmente não tenho mais esse sonho na minha vida, entretanto, se acontecesse um dia, seria bem legal! E pensando por um lado, é pouco provável uma criança ter um quarto próprio com sacada, afinal, envolve altura e acidente. Por outro lado, sempre fui uma criança consciente que tinha medo de altura e jamais tentaria pular lá em baixo.

Ser rica e famosa
Eu sempre tive vivo em mim uma vontade de ser famosa/reconhecida por algo que fizesse - logo queria ser rica também. Durante a maior parte da minha infância, eu adorava imaginar que era uma "superstar" ou uma pessoa mega conhecida e que tinha fãs. Aliás, meu sonho era que um caça talentos me descobrisse e apostasse em mim como um "talento revelação" - bem pirada mesmo! No final das contas, eu não fiquei rica muito menos fui descoberta como uma superstar por alguém mas, confesso ainda tenho essa vontade haha.

E vocês, tinham algum sonho na infância que não realizaram? Comentem abaixo!
  • Share

Como lidei com a separação dos meus pais

Olá, meus amores! Como estão? Falar da separação dos meus pais é uma das coisas que eu nunca achei que sentiria a vontade ou confortável de falar sobre. Tanto é que, eu realmente nunca contei pra ninguém como eu me sentia sobre isso - não que alguém tenha perguntado algum dia. Eu sempre fui do tipo de pessoa que prefere guardar tudo pra si o que sente - mesmo sabendo que não faz nada bem. Por mais que alguém tentasse, nunca conseguiu tirar nada de mim. Por muito tempo, foi uma coisa difícil de lidar e aceitar, então, no post de hoje, vim compartilhar mais dessa "experiência" que eu tive na vida.

Eu via casais de outras famílias se separarem, porém, sempre fui segura de que isso jamais iria acontecer na minha. Sempre achei que meus pais fossem perfeitos um para o outro e que estariam juntos para sempre. Aliás, imaginar minha mãe com outro e meu pai com outra estava fora de cogitação, chegava a ser um pesadelo parar pra pensar nisso. São duas pessoas que eu amo, logo, na lógica que eu tinha, o mais certo era os dois ficarem juntos. Pensamento bem egoísta, confesso.

Acho que os dois já chegaram a ficar um tempinho separados quando era criança mas, não me lembro desse momento. E se lembrasse, acharia normal, já que todo casal tem seus conflitos e superam depois. Quando meus pais se separaram definitivamente, eu tinha mais ou menos de 13 pra 14 anos.  Já era grandinha sim e tinha noção das coisas, mas acho que cada um reage de um jeito e, pra mim foi bem difícil. Os dois eram a minha única referência de casal e eram as únicas pessoas que eu me espelhava e, ver essa separação, me quebrou por inteira.

Pra mim, aconteceu tudo tão rápido e foi tão de repente que eu não tive tempo pra processar essa informação. Até hoje fico confusa me lembrando. Os dois pareciam estar mais felizes e unidos como nunca. Minha mãe tinha conseguido um emprego e eu estava contente porque sabia que a partir dali as condições iam mudar pra melhor. Aí, quando me dei conta, a "casa decente" que eu tanto sonhei em ter - e que tínhamos ganhado há alguns anos - já estava sendo vendida, ambos estavam tomando rumos diferentes e eu iria começar a viver numa realidade completamente diferente. O fato de não serem casados legalmente, foi mais fácil pra cada um tomar seu rumo.

Na época, acho que já estava nas ultimas semanas de aula, porém, logo no começo da oitava série já fui deixando de frequentar as aulas (tive que voltar à força depois), me alimentava super mal e só queria ficar jogada na cama mexendo no computador. Essa era a única coisa que me distraía e tirava minha mente do mundo real. Todo mundo deve ter imaginado que era apenas uma rebeldia de quem estava entrando na adolescência ou uma birrinha qualquer, mas, isso era apenas o resultado de uma menina confusa e que queria a antiga vida de volta. Pra eu não ter que explicar nada, apenas deixava as pessoas acreditarem no que quiserem sobre o motivo de eu estar agindo assim.

Não sei se atualmente é uma coisa que superei cem por cento mas, com certeza, sei lidar muito melhor do que antes. Quando amadurecemos mais, pensamos de uma forma mais ampliada, diferente e vemos as coisas de outro jeito. Nos dias de hoje, eu prefiro focar na felicidade que ambos possuem vivendo suas vidas separadamente e também pensar que, se estivessem juntos, talvez não seriam (tão) felizes. Ficaria mal se os dois levassem uma relação pra frente com infelicidade só pra me fazer feliz e me deixar satisfeita. Ambos são seres humanos e possuem sentimentos, não posso simplesmente querer anular isso e obrigar que fiquem juntos.

E vocês, como lidaram com a separação dos pais? Comentem abaixo!
  • Share

Comentários que uma "magra de ruim" ouve

Olá, meus amores! Como estão? Muita gente acha que nós magras não ouvimos nada sobre o nosso tipo físico ou não temos direito de reclamar do nosso corpo, afinal, aparentemente, "estamos dentro do padrão". Muitos criam a ilusão de que nossa vida é maravilhosa e bem resolvida apenas porque somos magras e, com isso, não enxergam que nós também sofremos para aceitar o nosso corpo. Um belo exemplo disso, é que só lembram das gordas quando se trata de falar sobre "amar o seu corpo como ele é".

Eu mesma cresci vendo que mulher "gostosa", "peituda" e "corpuda" é a perfeita e ideal. Isso me frustrava porque esse corpo sempre esteve longe da minha realidade. Ao mesmo tempo, não dá pra negar que nós magrinhas somos meio forçadas a achar que ser magra é um privilégio só porque várias mulheres se matam pra ficar com o nosso corpo e dariam tudo para tê-lo. Porém, eu acho isso um baita egoísmo, pois, querem tratar de um "problema" anulando outro - já que, pra eles, não sofremos o "suficiente".

De um tempo pra cá, depois de tanto se frustrar tentando engordar, decidi parar com isso e aceitar como o meu corpo realmente é. Aceitar meu biotipo magro, sem "curvas brasileiras", com pernas finas, braços finos e etc. Graças a Deus não sofri nenhum bullying na escola por conta do meu peso (sempre fui baixinha e os quilos a menos não chamavam atenção) mas, não dá pra fugir de pessoas inconvenientes ao longo da vida que não perdem a oportunidade de comentar sobre o nosso peso.

"Tem que fazer academia pra engrossar essas coxas"
Quem disse que eu quero ter coxas grossas? Aliás, por que eu tenho que ter coxas grossas? É mais bonito de se ver? É esse é o padrão brasileiro? Deixa minhas coxas em paz! Ela não faz nenhum mal a você! São essas coxas magras que me possibilitam andar, correr, pular e me movimentar por esse mundão! E só pra finalizar: não vou fazer academia e ter coxas grossas só pra te agradar. Quando me der vontade eu vou. Como não é o caso, vou seguir com a minha coxa fina mesmo você aceitando ou não!

"Você tem que comer mais"
Obrigada aos doutores e nutricionistas ambulantes por fingirem que se preocupam com a minha saúde, mas, não preciso dessa preocupação! Eu sou completamente saudável e como o suficiente para viver e matar minha fome. Meu estômago não é do tamanho de uma melancia, então, é claro que não como além do que me satisfaz. Resumindo: não me mato de tanto comer mas também não morro de fome. E se você acha meu corpo esquelético, anota aí: nem toda magra sofre com distúrbio alimentar!

"Tudo fica bom em você"
Se eu fosse você, não teria tanta certeza disso. Eu custo pra achar um shorts que fique bom tanto na cintura quanto nas pernas - aliás, ainda estou tentando vencer uma insegurança de usar roupas que mostrem minhas pernas. Nenhuma bota de cano alto fica justa ou bonitinha nos meus queridos cambitinhos. Fora isso, roupas larguinhas ficam parecendo um saco e não favorecem nada. Os decotes, ao invés de valorizarem o que já temos, fazem com que nossos seios sumam ainda mais. E essa é só uma pequena parte da nossa experiência com roupas.

"Ah, mas você tem um corpo perfeito, sem barriga, estria ou celulite"
Quem vê essas fotos perfeitas de magrinhas no instagram, acha que essa é a pura realidade de uma magra e que somos blindadas contra gordurinhas, estrias e celulites. Porém, isso não é verdade. Esses corpos não são reais. A não ser que ela seja rica e viva em clínicas de estética pra tirar ou reduzir as estrias, celulites, deixar a barriga negativa e tirar gordura da cintura. Fora que existe Facetune e Photoshop para fazer retoques. Eu mesma não sou desprovida de estrias e, quem me olha, tenho certeza que daria rios de dinheiro só pra apostar que não tenho. Nós, magras de ruim, também temos aquela "detestável" barriguinha quando sentamos, após o almoço e temos aquela gordurinha apalpável nos lados. A diferença é que conseguimos esconder e disfarçar mais.

"Nossa, a minha mão fecha no seu pulso"
Que legal, não sabia que sua mão tinha virado uma fita métrica! Agora só me responde uma coisa: por acaso já viu alguma magra com o pulso largo ou grosso? Só pra saber, né! Vai que sou um alienígena. E, colega, eu já sei que tenho o braço e o pulso fino, não precisa ficar lembrando isso a cada vez que você decide abrir a boca pra falar bosta.

"Eu acho que você ficaria melhor um pouco mais gordinha"
Pra alguém que já está com a autoestima lascada, esse comentário só piora ainda mais a situação. Eu já ouvi ele algumas vezes na época em que tentava engordar e, pra mim, essa frase era como me dizer: "a única cura pra sua feiura é engordar". Mas imagina: se dá trabalho pra manter o peso atual (que, por sinal, foi uma luta pra conseguir atingi-lo) imagina querer engordar pra que terceiros te achem melhorzinha ou mais bonitinha? Amore, a única que tem que achar alguma coisa aqui sou eu e, se eu acho que estou bem tendo esse peso, vou continuar com ele.

E vocês, já ouviram mais algo sobre seu peso ou tipo físico? Comentem abaixo!
  • Share

O que aprendi sendo fã

Olá, meus amores! Como estão? Há um bom tempo, deixei de ser aquela fã que se dedicava de corpo e alma em fã clube no twitter - pra quem não sabe, lá é onde se concentra fãs de todos os tipos. Dizem que (pré) adolescentes são fãs mais eufóricos e fascinados e eu vou ter que concordar. Eu, pelo menos, adorava mostrar o quanto amava dedicar meu tempo falando dos meus ídolos e os apoiavam incansavelmente - seja nas votações ou divulgação de um novo trabalho. Claro que hoje em dia esse amor não morreu, apenas diria que se tornou algo mais maduro. Também tenho minha vida pra cuidar e não posso viver em função de cuidar de outra que já está muito bem gerenciada. Enfim, no post de hoje eu vou falar sobre alguns aprendizados que o meu lado de fã me proporcionou.

Ser fã não é lamber o chão que o artista pisa
Tem quem possa se surpreender com isso, porém, não é porque você é fã de alguém que é obrigada a gostar de tudo o que ele faça (seja em atitudes ou no trabalho). Tudo bem você não gostar de uma música, de um clipe ou uma atitude que ele teve. Acho que isso não é deixar de apoiá-lo, mas sim, ter opinião própria. Ser fã não é lamber o chão que ele pisa e alisar a cabeça a cada vez que ele fizer alguma merda. Primeiramente, tem que aprender que aquele ídolo não é um ser humano perfeito e que uma hora ou outra vai falhar. E amar também significa dar um puxão de orelha às vezes.

Ter uma coleção de coisas não te torna mais fã que os outros
Quando a gente é mais novinho, quer porque quer comprar todos os cds, dvds e revistas daquele ídolo pra mostrar o quanto somos fãs e o quanto somos apaixonados por aquele artista. Porém, se fulano não tem nada do mesmo, não quer dizer que seja menos fã que você que tem a coleção inteira. Ele apenas deve ter outras prioridades com o dinheiro ou não tem condições de comprar várias coisas. Assim como nunca tive chance de ir a um show dos meus artistas favoritos, não quer dizer que sou menos fã que alguém que vai em todos.

Não é porque você deixou de ser fã que um dia nunca tenha sido fã
É natural na vida todo mundo passar por fases, e, chegar numa em que não se identifica mais com tal artista e não vê mais sentido em continuar o mantendo em sua vida. Não é porque isso aconteceu que, significa que você nunca tenha sido fã de verdade da pessoa ou seja poser, mas sim, que seus gostos e interesses mudaram. Se fosse assim, todo mundo que cresceu amando Xuxa até hoje seria fã dela - não é o que acontece. Pra mim, ser poser é apenas fingir gostar de algo pra agradar alguém.

Tudo bem alguém não gostar do seu ídolo
Quem já foi aquele tipo de fã que queria tirar satisfação ou ficava irritadinho porque certa pessoa dizia não gostar de um ídolo seu? Nunca cheguei a discutir com alguém por conta disso mas, antes eu ficava bolada. Hoje em dia é indiferente na minha vida, pois, cada um tem seu gosto. Eu sei que muita gente só diz não gostar na intenção de te provocar, entretanto, a gente tem que relevar, afinal, elas só querem atenção e vai conseguir se você der bola. No fundo, elas podem até gostar do artista, porém, só querem mesmo ter o prazer de te irritar e causar confusão.

Não sei nem a metade da vida dos ídolos
A gente acha que sabe de tudo o que se passa na vida do(s) nosso(s) ídolo(s) só porque ficamos por dentro das notícias/fofocas dos sites ou porque pesquisamos no google e o acompanhamos nas redes sociais mas, na verdade, sabemos apenas sobre aquilo que o artista decide expor (ou cai na mídia por acidente). Ou seja, nem metade da vida que ele tem, não mostra por aí. Boa parte dela fica em off. E eu só me dei conta disso quando observava artistas aleatórios.

Os fãs de um artista não o define
Às vezes, por conta de uma parte dos fãs (nunca é bom generalizar) irritantes de um artista, a gente pega o famoso ranço do pacote completo, inclusive do próprio artista. Isso não é justo, afinal, um artista não tem culpa de ter fãs infantis e problemáticos. Ele não tem o poder de escolher quem vai ser seu fã. Infelizmente, esses tipos de fãs se destacam mais que os equilibrados e conscientes, então o fandom inteiro fica com uma imagem manchada. Já deixei de gostar de artistas o julgando a partir de seus fãs mas, depois que percebi que uma coisa não tem nada a ver com a outra, comecei a ignorá-los, focar no artista em si e nos bons fãs.

E vocês, aprenderam algo sendo fãs? Comentem abaixo!
  • Share

Situações que todo mundo passa quando tira selfies

Olá, meus amores! Como estão? Se engana quem acha que tirar selfies é só pegar o celular, ligar a câmera e sair clicando, mas não é bem assim. Por trás de uma foto bonita (e bem feita), sempre rola uma produçãozinha a mais pra ela ficar daquele jeito. Pelo menos, no meu caso, é mais trabalhoso tirar selfies porque não fico em casa toda produzida e acabo me arrumando só pra tirar foto (e se eu não fizesse isso meu instagram criaria teias). E, pensando em todo esse papo de tirar selfies, eu vou falar sobre algumas situações que todo mundo (ou quase todo mundo) passa quando tira selfies.

Tira trezentas fotos e não gosta nem da metade
Acredite ou não, até aquela pessoa que vocês acham surrealmente linda, não gosta e nem posta metade das selfies que ela tira - assim como eu, você e mais trocentas pessoas. Tenho que dizer que é bem raro eu gostar pelo menos de três fotos que tiro num mesmo dia, pois, a maioria delas não ficam tão boas assim - eu não posto mas também nem apago. Confesso que até fico meio frustrada com esse fato porque gasto no mínimo duas horas pra três fotos (ou só uma) ficarem boas. 

Anda pela casa em busca da luz certa
A iluminação em si daqui de casa não é boa para selfies então, eu sei os lugares certeiros (e limitados) que me proporcionam uma ótima luz - que é em frente às janelas. Como não é só de um lugar que se faz uma selfie, é natural ficarmos dando aquela passeadinha básica pela casa explorando outros lugares e cômodos que nos ofereçam uma iluminação de qualidade. A sorte é que eu tiro foto apenas quando estou sozinha, caso contrário, ia parecer uma louca andando de um canto pra outro.

Se acha mais bonita no espelho do que nas selfies
Não sei que tipo de feitiçaria um espelho possui, apenas sei que, quando me olho no espelho, me acho mais bonita nele do que na selfie. Já vi por aí que não é só eu que passo por esse problema então, se você enfrenta esse mesmo dilema, saiba que não está só! Já pesquisei sobre isso e há muitas teorias e explicações "científicas" que mostram o motivo disso acontecer, porém, ainda não levei nenhuma a sério.

Sempre acha que elas poderiam ter saído melhores
Perfeccionismo em pessoa? Eu mesma! Mesmo que eu goste muito de uma foto, sempre acho que ela poderia ter saído melhor. Se tivesse inclinado um pouco mais o celular pra esquerda, se o cabelo tivesse jogado um pouco mais pra frente ou se tivesse tirado um pouco mais de cima, ela teria ficado melhor. Fora isso, também acabo achando uns defeitinhos que ninguém vai perceber olhando a foto, tipo, um fio de cabelo que ficou no meio do rosto ou o batom que ficou borrado no canto da boca.

Fica meia hora tentando achar/fazer poses diferentes
Eu perco praticamente a metade do tempo de tirar fotos apenas tentando fazer/achar poses diferentes para as selfies - muitas vezes sem sucesso. Põe a mão no cabelo, joga ele pra um lado, joga ele pra outro, põe a mão no queixo, na boca e apoia o braço na cabeça. Cansou só de ler? Pois é, tenho que dizer que até fico sem paciência algumas vezes por não conseguir fazer poses legais e diferentes. No final das contas, eu acabo fazendo as mesmas poses de sempre haha. Força do hábito!

Perceber que tirou fotos em um só ângulo
Todos nós temos um ângulo em que nos sentimos mais bonitos/favorecidos e é automático ligarmos a câmera e já ficarmos posicionada nesse ângulo. O meu, por exemplo, é o lado esquerdo do rosto e, quem já navegou (ou navega) pelo meu feed, percebe que eu peco bastante em relação a isso. Porém, só depois que tiro as fotos, percebo que elas saíram parecidas e em um só ângulo. Como não sou uma pessoa que liga pra feed perfeitinho, eu posto e deixo assim mesmo!

E vocês passam por mais alguma situação? Comentem abaixo!
  • Share